7 de setembro de 2014

INDEPENDÊNCIA OU MORTE!!!

GRITO DE INDEPENDÊNCIA!

Rev. Cleverson Gilvan


Hoje estamos comemorando os 192 anos da independência do Brasil. No dia 07 de setembro de 1822, D Pedro I rompeu os laços com Portugal com o famoso brado:Independência ou Morte! E assim iniciou um novo momento na história do Brasil. Mas este não foi o grito mais famoso de independência dado num momento tão decisivo da história, pois este na verdade foi dado pelo Senhor Jesus na cruz do Calvário.
            
Na verdade não foi um único brado. Ele pode ser dividido em sete partes e todos tem um ensino especial sobre o caráter libertador da sua obra realizada em nosso favor. Ali, enquanto o sangue escorria por todo o seu corpo ele disse:



1) "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" – E assim o seu grito nos lembro do livramento da pena que estava destinada a nós, mas que fora transferida para ele. E ele também disse:

2) "Hoje mesmo estarás comigo no paraíso". E de modo majestoso nos lembrou que a eternidade era uma realidade e nela desfrutaríamos de uma comunhão especial com ele, mas enquanto contemplava a eternidade, ele também foi capaz de declarar:

3) "Filho, eis aí tua mãe". E nos ensinou que enquanto aqui há responsabilidades e obrigações que devem ser recebidas, não a despeito, é claro, da provisão divina. E na sequência também disse:

4) "Tenho sede", nos lembrando a sua agonia, a tristeza e a gravidade do momento que ele suportava por nós. Até que no momento mais terrível ele disse:

5) "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?"  E deste modo nos lembrou como a ira de Deus o havia visitado terrivelmente. Ele sentiu as dores infernais da condenação do pecado de todos os eleitos, que estava sobre ele, mas o fez com bravura e determinação, até declarar:

6) "Está consumado". E assim o preço da nossa liberdade foi pago e cancelado todo escrito de dívida que havia contra nós. E na sua última hora ele declarou:

7) "Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito". E o fez como quem venceu a morte, não tendo sido derrotado por ela, mas voluntariamente se entregando ao Pai, para cumprir, três dias depois, o que havia prometido, ou seja, ele não permaneceria sob o poder da morte, mas ressuscitaria.

            E deste modo ele nos lembrou que a verdadeira liberdade é maior do que aquela que o Brasil comemora hoje, porque nos lança na eternidade na certeza de que para sempre estaremos com ele: Jesus Cristo nosso libertador!




Texto copiado do blog: IGREJA PRESBITERIANA DE PATROCÍNIO de 05/09/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE!
Sua opinião é muito importante para o blog!
Deixe aqui sua opinião, sua crítica ou seu entendimento sobre o artigo.
ATENÇÃO! Nem todos os comentários serão aprovados!
Para maiores esclarecimentos sobre aprovação dos comentários acesse a página: SOBRE e leia nossa Política de Comentários.

Get Sharing Tolls